quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Cidades de Papel - John Green


























"A gente ia ser feliz, a gente ia ser um do outro, a gente ia... ia... ia... e não foi." (John Green)

            ======
  Quentin é vizinho de Margo Roth Spielgelman, a menina mais popular de toda a escola. Desde muito pequenos são amigos, mas depois de encontrarem o corpo de um homem morto, nunca mais foram os mesmos.
  Muitos anos após o acontecimento, ele é surpreendido por Margo no meio da noite, pedindo o carro emprestado para uma "aventura". Relutante, ele embarca nessa ventura, que tornará daquela noite, a mais incrível de toda sua vida.
  No dia seguinte, a srta. Spielgelman não aparece na escola, e assim foi por mais alguns dias. Seus sumiços eram bastante comuns e todos já estavam acostumados, mas por outro lado, ela nunca desaparecia por muito tempo. Então, para onde ela foi?
  O que eles não sabem, é que ela deixou uma pista, será Quentin capaz de desvendá-la e descobrir o paradeiro de seu amor nunca correspondido?
            =======
   A escrita de Cidades de Papel é bastante calma e harmoniosa, gostosa de se ler. Com um toque de investigação, foi a mistura perfeita para uma obra arrebatadora.
   Do início ao fim fiquei preso na leitura, madruguei para conseguir terminar a história no mesmo dia, e por fim me desapontei um pouco com o final.
   Conhecendo John Green, sabemos que seus livros sempre trazem uma surpresa no final, o que passou a ser uma de suas marcas. Porém, me decepcionei um pouco com esse desfecho, o que me entristeceu um bocado. 
   Em contrapartida o desenvolvimento foi divino. Amei cada página da busca por Margo, e me diverti muito com Radar e Ben. 
   E mais, Cidades de Papel terá/tem uma adaptação cinematográfica; deixarei o vídeo logo abaixo.










 

Um comentário: